sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Resenha; Astronauta - Magnetar

Então os quadrinhos do Grupo Maurício de Souza são coisas de criança e pré-adolescentes sem açúcar  não é mesmo?

É, meu velho, está na hora de você rever seus conceitos!

Estava eu fazendo as comprinhas do mês (R$85,00 em HQs O_O! Recorde pessoal o/), na banca aqui da cidade, quando vejo aquela linda capa me olhando timidamente por trás de Preacher. Azul, com uma arte lindíssima, a imagem de um homem se lançando ao infinito e o selo do Graphic MSP. Não tive dúvidas e levei na hora sem nem mesmo pestanejar por um segundo. E, puta que pariu, foi um grande acerto!

A arte extremamente foda de Danilo Beyruth

Eu já havia visto sobre o lançamento da graphic na Fest Comix, mas não tinha conhecimento do que exatamente se tratava (às vezes meu cérebro desliga ou desvia o pensamento e eu vejo sem captar a mensagem). Quando minha cuca juntou o título à imagem e o vídeo eu não tive duvidas e comprei a belezinha pela bagatela de RS20,00 (eu acho... tô com preguiça de pegar ele lá pra conferir o preço ¬¬').

Lembra do Astronauta, aquele lá do gibi da Turma da Monica, que gostava da Ritinha, vestia um uniforme redondo azul? Então, é o próprio. Lógico que com uma roupagem e abordagem nova, pois o selo Graphic MSP veio justamente com o objetivo de recontar a história de personagens clássicos do Mauricio de Souza, mas para jovens e adultos.

Em suas páginas o leitor conhece a história de um homem que abandonou tudo e todos que conhecia na Terra e se lançou ao espaço para explorá-lo em seus recantos mais profundos. E é em um desses recantos (o tal do Magnetar) que, graças a uma fatalidade, ele se vê só na imensidão do universo. Chegamos ao âmago da solidão.

Dia após dia ele vai tendo sua sanidade minada pela rotina, ao mesmo tempo em que tenta desesperadamente sobreviver aquele ambiente estranho e sair dali. É tudo muito familiar pra quem está acostumado com a massividade do cotidiano, mas maximizado pelo fator estou-sozinho-e-completamente-fodido-sem-ninguém-pra-me-apoiar-ou-ajudar. 

O que fazer quando sua mente brinca de fantoche com você?

A graphic me soa como uma parábola do homem que se isola dos seus iguais ao passo do avanço tecnológico. Ao fim de tudo o mais importante é se lembrar das suas raízes e de quem realmente importa. De que adianta ir além se os antigo sonhos vão ficando cada vez mais distantes? Ficar só, quando não te destrói, te faz ver as coisas sob uma nova perspectiva.

Tecnicamente a HQ é impecável (pra mim, pelo menos). Arte primorosa, cores ótimas e um texto fluido, inteligente e que consegue te prender. Tudo isso faz com que o gibi seja devorado em uma só bocada, sem pausas, pois cada nova página te obriga a ir mais e mais além no universo (re)criado.

Hora de lançar-se em direção ao infinito e se redescobrir como parte de um todo imensamente maior que sua simples existência!

Enfim, a novel é foda pra caralho, cheia de referencias físicas e astronômicas, pensamentos filosóficos e tudo mais que uma boa história possui pra ser lida e re-lida diversas vezes. Material nacional de altíssima qualidade onde o Mauricio mostra que é capaz, sim, de abraçar os públicos de todas as idades.

84 páginas, nas versões capa cartonada (RS19,90 - te amo Google) e capa dura (R$29,90).

Leia!!! Se quiser eu até empresto (mas não antes de você assinar um termo de compromisso u_ú)

Nenhum comentário:

Postar um comentário