sexta-feira, 2 de novembro de 2012

É incrível como algumas pessoas conseguem ser tão filhas-da-puta!

Pra cada ato seu de altruísmo e boa vontade 10 outras pessoas se empenham em ser filhas-da-puta e te ferrar da pior maneira que elas conseguem imaginar. Por mais que eu tente ter fé nas pessoas elas vêm, em um numero cada vez maior, me provar que o ser humano não passa de um erro.

O que fez chegar a conclusão que o mundo está cada vez mais filho da puta foi o seguinte...

A empresa onde eu trabalho presta serviço no ambulatório da Kerry com uma enfermeira no período das 9h da manhã às 4h da tarde. Sempre que essa enfermeira está de férias ou então não pode ir por algum outro motivo advinha quem cobre ela lá... Sim, este que vos fala, mesmo não tendo preparo nenhum como tal, vai até lá pra, pelo menos, tomar conta do lugar e auxiliar o médico e os funcionários em alguma coisa.

Veja nesse ponto que eu não estou reclamando. Eu até gosto de ir, já que geralmente não tem nada pra fazer e posso colocar em dia a minha leitura (ô se lá tivesse internet...). Vou com a maior boa vontade e nas ultimas vezes cheguei a arriscar uns curativozinhos aqui e ali no pessoal e aprendi (mais ou menos, né =P) a aferir pressão arterial.

A porta do ambulatório está com problema. Se você fecha por dentro há uma grande chance de ficar trancado gritando desesperadamente até que alguém te ouça e resolva fazer a caridade de te tirar da sala. Sim, eu tranquei por dentro. Duas vezes! Da primeira vez o cara foi lá e me ajudou a sair numa boa. A chave ficou agarrada no miolo da fechadura, mas o pessoal da manutenção foi e tirou a maldita. Na segunda vez eu consegui sair sozinho, mas depois a chave não queria mais girar e nem sair da fechadura. Tive que deixar a porta aberta e pedir auxilio do porteiro pra que ele chamasse alguém pra arrumar, pois meu ônibus já estava vindo e eu não podia perde-lo. É aí que 'tá!

- A chave agarrou na porta do ambulatório, tem como chamar alguém da manutenção da dar uma olhada pra mim por que meu ônibus já 'tá vindo e eu não posso perder.
Eu pedi na maior humildade possível.

- Ah, fih, vai lá, te vira...
Foi a resposta do filho da puta.

- Você não 'tá me entendendo. Meu ônibus vem e eu não posso perder, você trabalha, aqui é só ir lá.
Depois da primeira patada eu já tava puto.

- A manutenção fica ali ó... Vai lá, o problema é seu!
Patada numero 2.

Eu lá fazendo um favor e o maldito ainda me nega ajuda ¬¬'

Velho, se eu não tivesse saído da academia e fosse, hoje, um maromba eu certamente partiria aquele desgraçado ao meio. Eu vou lá fazer um favor pra porra de empresa em que ele trabalha e sou tratado como um pedinte na porta de restaurante metido a fino?!

Beleza. Na chuva, eu fui e chamei o cara da manutenção. Ele disse que iria ver a chave e, se não conseguisse tirar, chamaria o chaveiro (coisa que o porteiro poderia ter feito desde o começo!). Resultado, perdi meu ônibus  tive que pegar o errado de propósito porque o meu seria só dali há 1h. Desci no centro pra subir o resto do caminho a pé. Tudo isso por causa de um carinha de muita má vontade.

Ah, mas não acaba aqui não.

No outro dia a enfermeira da Kerry me liga.

- Tiago, onde você colocou a chave do ambulatório? Cheguei aqui e a porta estava aberta, agora preciso trancar pra ir embora.

Expliquei pra ela, tin tin por tin tin, e a Iza disse que iria falar com o cara que foi consertar pra ver o que tinha acontecido.

No dia seguinte pela manhã vem o Dr. responsável pelo ambulatório.

- Onde você enfiou a chave do lugar lá? A menina não conseguiu achar o cara que foi consertar e agora 'tá ficando aberto. Amanhã você vai ter que substituir ela de novo, aí dá um jeito de encontrar essa chave porque o pessoal já 'tá enchendo o saco.

Eu fui, mas decidi passar na manutenção depois, porque sou preguiçoso pra caralho e não estava afim de arrumar rolo logo de manhã com uns caras bem maiores (muscularmente falando) do que eu tinha umas coisinhas pra resolver primeiro e um carinha pra preencher a ficha clinica. Conversando com o rapaz da ficha, que estava pra ser demitido, expliquei pra ele o que estava acontecendo e fui mostrar como a chave ficou agarrada... E então encontrei a chave. Sabe aonde???

É isso aí!

O outro energumeno sem noção da manutenção foi consertar a porta e quebrou a chave. E o cara ao invés de ir atrás de alguém pra solicitar a troca da fechadura ficou bem quietinho como se nada tivesse acontecido >_<!

Moral da história: bando de filho de uma quenga, sem pai, chupador de rola do caralho que, mesmo vendo eu me fodendo, não foi capaz nem de assumir a responsabilidade dos seus erros ou então ajudar de forma decente uma pessoa que estava fazendo muito mais do que deveria pra ajudar a manter funcionando uma porra de empresa em que ele (eu) nem tem a obrigação de fazer nada por não estar ganhando porcaria nenhuma (nem obrigado, vey -_-') por isso.

"Amai ao próximo como a ti mesmo... "

Tem muito nego por aí se esquecendo de liçõeszinhas básicas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário