quarta-feira, 10 de outubro de 2012

E se tudo der errado, em um final mal acabado, e o silêncio tomar conta de você

Há alguns longínquos anos atrás eu entrei em um estado de completa depressão no qual resultou em uma Síndrome do Panico e a absoluta certeza de que ao fim daquele ano eu iria morrer. Eu estou à beira do abismo mais uma vez.

Os dias estão sendo todos tão iguais que me dão náuseas. Eu quero mudar, mas nem tento. No fundo sou um covarde com medo de mudanças. Tanto que fico sempre no mesmo canto. A mesma rua, as mesmas pessoas, a mesma conversa, o mesmo sorriso. Essa é uma brincadeira cansativa demais.

O problema é a rotina. Ela é implacável e me esmaga. Eu quero fugir e me trancar no meu quarto de livros, mas, ao mesmo tempo, não quero aguentar a dor sozinho. Essa indecisão roda em meu estômago e parece se transformar em um buraco que vai minando minhas forças aos poucos. É como um ciclo que me corrói a cada nova volta... uma ciranda na qual eu não quero nunca mais dançar.

"Não deixe que isso entre no seu peito e arranque o que de bom você tem", Círculos - NX Zero

Eu sou extremamente indeciso e constantemente fico em cima do muro. Aqui dentro existe um misto de insegurança, falta de auto-estima e auto-confiança que me impede de dar um passo além. É como se eu fosse uma estátua de praça, daquelas que ficam escondidas em seu próprio lugarzinho e ninguém presta a tenção nelas. Mesmo querendo ser notada ela já está tão acostumada àquele lugar comum que tem medo da estranheza que irá causar às pessoas caso mude de posição e por isso prefere não causar problemas. É melhor sofrer em silencio do que causar ao próximo por pura vaidade.

Depressão é uma coisa foda que nos destrói. É uma tristeza que não tem começo nem fim. Um dia você simplesmente acorda em uma zona morta sem nenhuma esperança onde a única coisa a se fazer é flutuar pra cada vez mais longe na escuridão infinita. E é uma bela noite sem lua, pois te seduz e cada dia que passa nos tornamos mais íntimos e trocamos cumplicidades.

Embora erguer a cabeça e encarar os olhares te deixe ainda mais deprê.


É como pouca manteiga espalhada num pedaço muito grande de pão.

Eu sei que preciso procurar um psicólogo, mas sem chance! Passou sozinho da primeira vez, não me alcançou na segunda tentativa e não vai ser dessa vez que vou cair de joelhos... Estou tentando encontrar as peças certas, pois o meu modo de montar está correto.

Sabe quando nada se encaixa... Pois é...



Malditas peças as quais eu (erroneamente) me apego tanto >_<. Talvez eu goste de sofrer pra fazer os outros felizes...













Não quero mais andar em círculos...

Bônus - essa musiquinha aí embaixo expressa, mais ou menos, o meu estado de espírito: Sinto Muito Blues, Esteban.



Nenhum comentário:

Postar um comentário